quinta-feira, 24 de maio de 2018

«Golpe de Mestre»: o roteiro oficial da guerra contra a Venezuela

Os EUA estão a atacar a Venezuela cumprindo um plano «top secret» elaborado pelo SouthCom do Pentágono, que só será dado como concluído «quando a ditadura corrupta de Nicolás Maduro tiver sido derrotada».



Elaborado para ser aplicado em várias fases, o «Plano para Derrubar a Ditadura Venezuelana – Golpe de Mestre», assim foi baptizado o documento assinado pelo almirante Kurt Walter Tidd, comandante do SouthCom (Comando Sul), prevê uma agressão militar multinacional integrando tropas de combate norte-americanas e de países da região, incluindo o Brasil, sob comando directo do Pentágono. Como se percebe pela leitura integral do texto, esta guerra será um primeiro passo para o «renascimento da democracia» à «escala continental».

Elaborado no início deste ano, embora só recentemente tenha escapado às malhas do secretismo do aparelho de expansão imperial, o plano manteve-se, até agora, nas fases de desestabilização social e política, prevendo a hipótese de o «chavismo», como se escreve amiúde no documento, cair antes das eleições presidenciais de domingo último – nas quais Nicolás Maduro foi reeleito com mais de dois terços dos votos expressos, numa consulta onde a legitimidade e a transparência não foram postas em causa.

Depois desta manifestação democrática e esmagadora da vontade autêntica do povo venezuelano, parece ser hora da passagem a nova fase do «Golpe de Mestre».

«Chegou o momento de os Estados Unidos mostrarem que estão implicados neste processo, no qual a queda da ditadura venezuelana marcará uma viragem à escala continental», adverte o almirante Kurt W. Tidd. Trata-se de agir «em defesa da democracia», e não apenas na Venezuela, onde se assiste «a uma acção criminosa sem precedentes na América Latina»; será um passo «para que a democracia se propague na América, um continente onde o populismo radical está destinado a perder o controlo». Este «renascimento democrático», lê-se no documento, «baseia-se em escolhas corajosas» para as quais «as condições regionais são favoráveis».


A guerra assim traçada contra a Venezuela, e para a qual o Pentágono mobilizou o Brasil, a Argentina, a Colômbia, o Panamá e a Guiana como agressores directos, «é a primeira ocasião para a Administração Trump pôr em andamento a sua visão de democracia e segurança, demonstrando como é crucial para o continente e o mundo inteiro», escreveu o comandante do SouthCom. «Chegou o momento de agir», insiste.

O já veterano, mas avulso, processo norte-americano de conspiração contra a Venezuela soberana – marcado por golpes, tentativas de golpe e sucessivos episódios terroristas intimidando a população do país – foi actualizado em 23 de Fevereiro deste ano sob a forma de plano estratégico, na altura em que Washington obrigou a oposição de extrema-direita, que patrocina, a rejeitar o «acordo de convivência» nacional no qual a mediação do ex-primeiro-ministro espanhol Rodríguez Zapatero fora bem-sucedida. Quando a assinatura estava prestes a acontecer, nesse mês de Fevereiro, o então secretário de Estado de Trump, Rex Tillerson, telefonou ao chefe da delegação Movimento de Unidade Democrática (MUD – de inspiração fascista), Júlio Borges, proibindo-o de assinar o documento.

A ordem assim emanada equivaleu a uma desautorização, a uma secundarização dos dirigentes arruaceiros patrocinados pelos Estados Unidos, forçados agora a uma ausência eleitoral que se virou novamente contra os próprios devido ao desacreditado e desastrado boicote das eleições presidenciais de domingo.

Uma situação agravada com o seu apagamento operacional do plano conspirativo, de cuja aplicação os Estados Unidos assumem agora plenamente as rédeas. «O governo corrupto de Maduro ruirá, mas infelizmente as forças de oposição que defendem a democracia e o nível de vida da população não têm a capacidade necessária para pôr fim ao pesadelo venezuelano», testemunhou o almirante Kurt W. Tidd. Esses sectores são vítimas de «disputas internas», acrescenta, e de «uma corrupção semelhante à dos rivais, partilhando a mesma falta de raízes», o que «não lhes permite tirar o melhor partido da situação e tomar as decisões necessárias para ultrapassar o estado de penúria e de precariedade no qual o grupo de pressão que exerce a ditadura de esquerda mergulhou o país».

Muitas das medidas incluídas no plano de guerra norte-americano contra a Venezuela são já nossas conhecidas do dia-a-dia dos últimos 20 anos. Porém, é fundamental revivê-las à luz da redacção nua e crua que o almirante Tidd lhes deu, escudado na eficácia do «top secret», para que todos entendamos como a informação internacional dominante obedece às ordens dos donos – com especial meticulosidade neste caso venezuelano.

Para alcançar «a erradicação definitiva do chavismo e a expulsão do seu representante», o comandante do SouthCom do Pentágono recomenda que se «intensifique a insatisfação popular, favorecendo mais instabilidade e penúria, de modo a tornar irreversível o descrédito do ditador». Nesse sentido, aconselha a «atacar repetidamente o presidente Maduro, ridicularizá-lo e apresentá-lo como um exemplo de incompetência, um fantoche às ordens de Cuba».

Trata-se ainda, acrescenta este modelar roteiro de agressão imperial, «de aumentar a instabilidade até níveis críticos, intensificando a descapitalização do país, a fuga de capitais estrangeiros e a deriva da moeda nacional através da aplicação de novas medidas inflacionistas».

Recorrendo a um estratagema sempre muito eficaz em relação aos objectivos pretendidos, o almirante recomenda ainda que «se ligue o governo ao narcotráfico, de modo a degradar a sua imagem aos níveis interno e externo».Percorrendo abertamente a estrada da sabotagem e do terrorismo, o almirante Kurt W. Tidd recomenda «fazer obstrução a todas as importações e desmotivar, ao mesmo tempo, os eventuais investidores estrangeiros», de modo a «tornar mais crítica a situação da população»; «apelar aos aliados internos e a outras pessoas bem inseridas no panorama nacional para que promovam manifestações, distúrbios e insegurança, pilhagens, roubos e atentados, sequestros de barcos e de outros meios de transporte para perturbar a segurança nacional nos países limítrofes»; e também «fazer vítimas», responsabilizando por isso o governo, assim «aumentando a dimensão da crise humanitária aos olhos do mundo inteiro».

Estende-se por 11 páginas, este «Golpe de Mestre», exemplo acabado de um roteiro de terrorismo de Estado e de estados que culmina com o planeamento de uma guerra regional e internacional contra um país independente, democrático e soberano com mais de 35 milhões de habitantes, por sinal o maior produtor mundial de petróleo; uma realidade frequentemente escamoteada para esconder a incontida gula internacional, diluída pelos efeitos da manipulação ostensiva dos conceitos de ditadura e democracia.

O essencial do golpe montado com a assinatura do comandante do SouthCom do Pentágono é «fazer a unidade do Brasil, da Argentina, da Colômbia e do Panamá, de modo a contribuírem para o reforço de tropas, usarem a proximidade geográfica e a sua experiência de operações em regiões arborizadas e de selva». Essa «frente internacional contará também com a presença de unidades de combate dos Estados Unidos e das nações mencionadas», ficando «o todo sob o Comando Geral do Estado Maior Conjunto, dirigido pelos Estados Unidos».

Prevê-se também «o estacionamento de aviões de combate, helicópteros, veículos blindados, a instalação de postos de espionagem e unidades militares especiais de logística (polícias, quadros operacionais e prisões)».

O almirante Kurt W. Tidd especifica que «devem utilizar-se as facilidades do território do Panamá como retaguarda»; «as capacidades da Argentina para garantir a segurança dos portos e posições marítimas»; a experiência do Brasil e da Guiana em termos de serviços e controlo de migrações para «coordenar o apoio à Colômbia, ao Brasil, Aruba, Curaçao, Trindade e Tobago e outros estados perante o afluxo de migrantes venezuelanos provocado pelo avanço da crise».

Considera-se importante «favorecer a participação internacional neste esforço, como parte da operação multilateral, através da contribuição de estados, ONG e corpos internacionais», sobretudo em matéria de logística, informações e capacidade de antecipar situações.

Depois de apelos à revolta no interior das Forças Armadas venezuelanas e de incentivos ao «envolvimento das forças aliadas no apoio» aos eventuais sediciosos, o «Golpe de Mestre» passa ao «nó da questão» para garantir o triunfo na guerra: «obter o apoio e cooperação das autoridades aliadas de países amigos (Brasil, Argentina, Colômbia, Panamá e Guiana); organizar o acantonamento de tropas, apoio logístico e médico a partir do Panamá; fazer uso adequado de tudo o que permita a vigilância electrónica e os sinais inteligentes, meios hospitalares e os fundos enviados para Darién (na selva do Panamá); tirar partido do equipamento do Plano Colômbia em drones, bem como dos territórios das antigas bases militares de Howard e Albrook, e do aeroporto de Rio Hato (Panamá); e também do Centro Regional Humanitário da ONU, concebido para situações de catástrofe e emergência humanitária, que integra uma pista de aterragem e as próprias instalações de apoio.»

O almirante Tidd realça a importância do recurso aos grupos paramilitares, vulgo «esquadrões da morte», sugerindo o reforço do recrutamento sobretudo em campos de refugiados como os de Cúcuta, La Guajira (Colômbia), tirando inclusivamente proveito, para tornar mais eficaz o seu desempenho, do «espaço vital» deixado pelas FARC na sequência do processo colombiano de paz. Um dos objectivos desta frente será o de «alimentar continuamente a tensão na fronteira (entre a Colômbia e a Venezuela), fomentar o tráfico de combustíveis e outros bens, as incursões dos paramilitares e o tráfico de droga para provocar incidentes armados com as forças de segurança fronteiriças».

Em suma, recomenda o comandante do SouthCom, é importante fazer o que for necessário para «tornar insustentável o governo Maduro, obrigá-lo a negociar, a hesitar, a fugir».

O plano de guerra contra a Venezuela aborda ainda o capítulo da propaganda, onde não acrescenta muito ao que tem sido a prática generalizada na comunicação social ao serviço da mundialização anglo-saxónica.

Isso passa, recorda, por «intensificar o descontentamento contra o regime de Maduro», designadamente «assinalando o fracasso dos mecanismos de integração montados pelo regime de Cuba, entre eles a ALBA e a Petrocaribe».O almirante Tidd sublinha, por exemplo, que os conteúdos «informativos» devem obedecer ao princípio essencial de «abafar a simbologia chavista baseada na sua representatividade e no apoio popular», invertendo-a de modo a apresentar «os ditadores como únicos responsáveis pela crise em que a nação mergulhou».

O recurso a «mensagens fabricadas» com base em supostos testemunhos e documentos oriundos do interior do país, a difundir pelos media nacionais e internacionais e pelas redes sociais é outro dos caminhos recomendados. A finalidade: «veicular por todos os meios a necessidade de pôr fim à situação, porque esta se tornou essencialmente insustentável.»

A panóplia de instrumentos de mistificação inclui «assegurar ou montar o uso de meios violentos por parte da ditadura para obter o apoio internacional», utilizando «todas as capacidades de guerra psicológica do exército dos Estados Unidos».

Ao longo do documento são várias as alusões às Nações Unidas, seus órgãos, instalações e meios, integrados como partes activas neste processo de guerra ilegal. Sobre a invocação abusiva – ou não – da disponibilidade e participação da ONU na agressão organizada contra a Venezuela, feita pelo SouthCom do Pentágono, seria interessante conhecer a posição do secretário-geral da organização.

De registar, por outro lado, que nenhum dos países citados como fazendo parte da coligação militar anti-venezuelana – designadamente Brasil, Argentina, Colômbia, Panamá, Guiana – tem qualquer contencioso com a Venezuela por resolver, muito menos que justifique uma opção extrema de guerra.

No entanto, embora conste que falta ainda a assinatura de Donald Trump para desencadear a fase declaradamente bélica, as operações militares já começaram. Têm decorrido exercícios de guerra na fronteira entre o Brasil e a Venezuela com o envolvimento de tropas norte-americanas, brasileiras, peruanas e colombianas; e nas águas do Atlântico Sul, com a participação de forças navais dos Estados Unidos, Chile, Reino Unido e Argentina. Operações das quais emerge, por exemplo, a coligação absurda entre forças argentinas e britânicas, tecnicamente inimigas por causa do contencioso sobre as Maldivas/Falkland, agora juntas contra a soberana e pacífica Venezuela.

Este cenário reflecte, de facto, o objectivo norte-americano de fomentar uma guerra continental contra o regime democrático venezuelano. O almirante Kurt W. Tidd sublinha que será necessário «colocar a operação militar sob bandeira internacional, com o aval da Conferência dos Exércitos latino-americanos, sob a protecção da Organização dos Estados Americanos (OEA) e a supervisão, no contexto legal e mediático, do respectivo secretário-geral, Luis Almagro».

Atingindo o zénite do cinismo terrorista, o comandante do SouthCom recomenda a conveniência de «declarar a necessidade de reforçar a acção do Comando Continental, servindo-se dos instrumentos da democracia interamericana com o objectivo de evitar a ruptura democrática».

Há um aspecto em que este prospecto criminoso, ofensivo das mais elementares normas de convívio universal, dos direitos humanos e dos princípios democráticos, tem uma utilidade indesmentível: vamos assistindo a sucessivas guerras de agressão e aos efeitos das mais apuradas mistificações com que nos são relatadas e comentadas; a partir de agora, porém, sabemos como se criam estes episódios sangrentos, através dos quais se vai formatando o mundo «na era da globalização».

Devemos agradecer ao almirante Kurt W. Tidd a sua franqueza, ainda que involuntária, valendo-nos também a clareza luminosa de mais um leak entre os vários que, de tempos-a-tempos, nos permitem transformar fundamentadas suspeitas no conhecimento de inegáveis realidades.

Sabemos agora um pouco mais sobre os «golpes de mestre» que inspiram os comportamentos dos mais poderosos entre aqueles que garantem governar-nos em nome da democracia e, frequentemente, «com a bênção de Deus».

POR JOSÉ GOULÃO, in AbrilAbril

Sem comentários:

Enviar um comentário