segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Países de merda

Poderia ser mais uma tirada de Donald Trump. André Levy contextualiza a expressão e retoma o caso exemplar de Eric Garner para nos fazer reflectir sobre qual o país que poderá merecer o qualificativo usado por Trump.
Projecto artístico multimédia «Try Our Shithole», no Trump International Hotel. A mensagem completa é «Not a DC resident? Need a place to stay? Try our shithole». Photo: @bellvisuals. «Shithole Projection on Trump Hotel», #Resist. Para conhecer Robin Bell consultar http://bellvisuals.com/ e https://www.instagram.com/bellvisuals/.CréditosRobin Bell/Bell Visuals.

Numa reunião bipartidária sobre reforma da política de imigração dos EUA, na semana passada, o Presidente dos EUA ter-se-á referido ao Haiti, El Salvador e nações em África como «países de merda» (shithole countries). Trump sugeriu que os EUA deviam preferir acolher mais pessoas de países como a Noruega ou de países asiáticos, porque podem ajudar os EUA economicamente. Durante dias, políticos e comentadores têm discutido diferentes versões do ocorrido, incluindo a palavra exacta usada por Trump. Questionado por um jornalista sobre se era racista, Trump repetiu uma sua já comum defesa superlativa: «Sou a pessoa menos racista que você já entrevistou». Mas a palavra exacta, mesmo se foi ou não uma palavra vulgar, não esconde o sentimento racista e classista por detrás das afirmações de Trump na reunião, em inúmeros discursos e nas suas acções.
 
Recordem-se as suas repetidas tentativas, congeladas por Tribunais de Apelação, de restringir imigração e refugiados de inúmeros países muçulmanos, assim como da Venezuela e RPD da Coreia. Recordem-se as decisões em Novembro passado de terminar um programa humanitário (Estatuto Protegido Temporário) que permitiu a cerca de 2500 nicaraguenses e quase 60 mil haitianos viverem e trabalharem no EUA, após o terramoto que devastou o seu país em 2010. Ou decisão semelhante este mês, que afectará cerca de 200 mil salvadorenhos, que foram para os EUA após os terramotos que devastaram o seu país em 2001. Este programa, instituído em 1990, protegia mais de 300 mil pessoas que encontraram refúgio nos EUA, aí trabalharam e estabelecerem vida, muitos tendo tido filhos que são considerados cidadãos dos EUA. O fim deste programa vai forçar estas famílias a sair do país. Ou ainda a intenção de Trump de terminar um programa da era Obama (conhecido pelo acrónimo DACA) que protege jovens imigrantes de deportação, cerca de 800 mil jovens (os «sonhadores»,ou &dreamers) que foram trazidos ilegalmente para os EUA enquanto crianças.
 
É redutor, porém, resumir este episódio a mais uma tirada do Trump. Numa tentativa (triste) de defender Trump, o comentador da rede Fox News, Jesse Watters, desvalorizou as palavras insultuosas alegando que «é assim que os homens e mulheres esquecidos da América falam no bar». Mesmo que assim fosse, não justificaria que um Presidente falasse da mesma forma numa reunião de Estado. E certamente, nem todos nos EUA falam nestes termos. Mas seria ingénuo pensar que o racismo nos EUA se resume a Trump, seus acólitos e apoiantes mais «esquecidos». O racismo nos EUA estende-se até a sua pré-história, está enraizado nas suas leis e instituições, e mesmo avanços conseguidos estão sobre constante ameaça: veja-se o retrocesso quanto ao Acto de Direitos de Voto, de 1965, por decisão do Supremo Tribunal, em 2013, que permite a vários estados alterarem as suas leis de voto sem aprovação federal, prejudicando sobretudo a população negra. Poderíamos aqui fundamentar este racismo institucional com números sobre os níveis de pobreza, educação, ganho salarial, encarceramento, etc. Mas desta feita termino com um caso concreto ilustrativo.
 Em 2014 Eric Garner foi morto por policias que o estrangularam com um chave de braço, prática oficialmente proibida. Antes de morrer repetiu 11 vezes «não consigo respirar». A polícia havia abordado Garner por suspeitarem de estar a vender cigarros individuais. O médico legal concluiu que a morte foi um homicídio. Porém, Daniel Pantaleopolícia que já em 2013 havia sido acusado de abuso numa tentativa de prender dois homens negros, obrigando-os a despirem-se na rua – não foi sequer indiciado, dando azo a inúmeros protestos por todo o país. 
Na semana passada, em Nova Iorque, foi o funeral da sua filha, Erica Garner, de 27 anos, activista contra a brutalidade policial. Em Agosto teve o seu segundo filho – Eric em honra do avô – e quatro meses depois, a 30 de Dezembro, faleceu após um ataque cardíaco induzido por um ataque de asma. Erica vinha atribuindo a deterioração da sua sua saúde à injustiça racial. Os números dão-lhe razão. Entre os países desenvolvidos, os EUA têm dos números mais elevados de mortes relacionadas com gravidez e parto: entre 700 e 900 mortes por ano (muitos mais enfrentam complicações severas). Mas os números são particularmente sérios entre os negros (ou, mais genericamente, entre as classes desprivilegiadas): a nível nacional, as mulheres negras morrem de complicações de gravidez a uma taxa três vezes superior às mulheres brancas (uma taxa semelhante às mulheres no México ou Uzbequistão). Em Nova Iorque, esse número eleva-se para 12 vezes mais. É caso para pensar qual é o país de merda.
 
Artigo de andré Levy, no AbrilAbril.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário