quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Portugal, 15OUT2017 (V)



Incêndios que fizeram pelo menos 36 mortos no norte e centro do país deixaram rasto de destruição, famílias desfeitas e localidades irreconhecíveis. Foto Leonardo Negrão / Global Imagens

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Portugal, 15OUT2017 (IV)

 
Incêndios que fizeram pelo menos 36 mortos no norte e centro do país deixaram rasto de destruição, famílias desfeitas e localidades irreconhecíveis. Foto Rui Oliveira / Global Imagens

terça-feira, 17 de outubro de 2017

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Portugal, 15OUT2017 (II)


Incêndio em Vieira de Leiria, às 17:00 de 15 de outubro. Foto de Hélio Madeira, bombeiro da unidade especial dos Canarinhos, em Vieira de Leiria.

Portugal, 15OUT2017 (I)

 

Um bombeiro em dificuldades combate o incêndio que começou na Lousã, em Vila Nova de Poiares. Portugal, 15 de Outubro de 2017. Fotografia de PAULO NOVAIS/LUSA

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Assim é o Che


Che Guevara, em 1963
Fotografia de René Burri


Passam hoje 50 anos sobre o assassinato de Che Guevara, na selva da Bolívia. Poucos dias depois de divulgada a execução, a 18 de Outubro teve lugar em Havana, na Praça da Revolução, uma velada solene, na qual Fidel Castro evocou e louvou a figura multifacetada do seu companheiro de luta, guerrilheiro, escritor, médico, estadista, diplomata, internacionalista. «Sejam como o Che», pediu Fidel à multidão.

As viagens de Ernesto Guevara de la Serna – Rosário (Argentina), 14 de Junho de 1928 – pela América, na primeira metade dos anos 50, marcaram-no de forma profunda, transformando-o, como ele próprio assume nas suas notas, ao ser confrontado com a enorme exploração dos trabalhadores das minas e a discriminação de que os nativos são alvo por parte dos yankees.

Na segunda dessas viagens, já médico, chega até à Guatemala, na América Central, onde conhece cubanos exilados que tinham participado no assalto ao quartel Moncada, em Santiago de Cuba, e é testemunha do golpe de Estado planeado e executado pelos norte-americanos, em Junho de 1954. Apontado como um «perigoso comunista argentino», Che Guevara, como é universalmente conhecido, é obrigado a sair da Guatemala e foge para o México. Ali conhece Fidel.

«Falei com Fidel uma noite inteira. E ao amanhecer já era médico da sua futura expedição», diz Che sobre o encontro1. Doze anos depois, discursando na velada solene na Praça da Revolução, Fidel confirma que o argentino se tornou expedicionário do iate Granma numa noite – numa altura em que ainda não havia «barco, nem armas, nem tropas». Ou seja, juntamente com Raúl Castro, Che Guevara foi dos primeiros a «alistar-se».

O líder da Revolução cubana explica esta disponibilidade de Che com o profundo «ódio e desprezo» que tinha pelo imperialismo, que resultavam em parte do «considerável grau de desenvolvimento» da sua formação política e advinham também da «criminosa intervenção imperialista» que tinha tido oportunidade de presenciar na Guatemala.

Diz Fidel: «Para um homem como ele não eram necessárias muitas razões. Bastava-lhe saber que Cuba vivia uma situação semelhante, que havia homens decididos a combater essa situação de armas em punho, que aqueles homens se inspiravam em sentimentos genuinamente revolucionários e patrióticos. E isso era mais que suficiente.»2

Calcanhar de Aquiles: absoluto desprezo pelo perigo
No seu discurso, Fidel Castro Ruz enaltece as qualidades de Che no campo de batalha, como médico, soldado ou comandante – «era um mestre da guerra, um artista da luta de guerrilha» –, e destaca o seu grande contributo para a vitória do Exército Rebelde sobre o de Batista, nomeadamente com a campanha de Las Villas e com o ataque sobre Santa Clara.

«Se, como guerrilheiro, tinha um calcanhar de Aquiles, era a sua excessiva agressividade, o seu absoluto desprezo pelo perigo», afirma Fidel, agora que sabe que, num de tantos combates, o Che perdeu a vida. E aqui custa-lhe «concordar com ele».

Mesmo admitindo que a conduta do Che possa ter sido influenciada pela perspectiva – correcta – de que «os homens têm um valor relativo na história» e de que «as causas não são derrotadas quando os homens caem», Fidel realça como preferia vê-lo continuar a forjar vitórias, «na medida em que homens com a sua experiência, calibre e capacidade realmente singular são homens pouco comuns».

«A morte do Che é um golpe duro, um golpe tremendo para o movimento revolucionário, na medida em que o priva, sem qualquer dúvida, do seu chefe mais experimentado e capaz», admite Fidel, mas destacando que se «enganam aqueles que cantam vitória», porque «o homem que caiu como homem mortal, como homem que se expunha muitas vezes às balas, como militar, como chefe, é mil vezes mais capaz do que aqueles que, com um golpe de sorte, o mataram». As suas teses, concepções, tácticas e ideias de luta revolucionária não foram derrotadas. «O seu grito chegará a milhões de ouvidos receptivos», clama o líder cubano.


Revolucionário, estadista, diplomata
«A guerra é um meio e não um fim», o que «é importante é a revolução, a causa revolucionária», destaca o primeiro secretário do Comité Central do Partido Comunista de Cuba, para vincar a noção de que, pese embora todas as suas qualidades como homem de acção e militar, Che Guevara era «um homem de pensamento profundo, de inteligência visionária, um homem de profunda cultura», e que, pelo carácter íntegro, honrado, sincero, estóico, constituía «a expressão mais cabal das virtudes revolucionárias».

Fidel nota que é costume, na hora da morte dos homens, fazer discursos de louvor às suas virtudes, mas que nem por isso deixa de falar de Che com justiça e rigor. E destaca o legado que este deixa às gerações futuras por via da sua escrita; o seu trabalho incessante, «sem conhecer um dia de descanso», ao serviço da pátria, assumindo as mais variadas tarefas, como presidente do Banco Nacional, ministro da Indústria, comandante da região militar do Ocidente ou diplomata, liderando delegações de Cuba nos mais variados palcos internacionais.

Umas das suas intervenções mais conhecidas é a que efectuou a 8 de Agosto de 1961, na quinta sessão plenária do Conselho Interamericano Económico e Social (CIES) da Organização de Estados Americanos (OEA), em Punta del Este (Uruguai). A delegação cubana, recebida no aeroporto e nas ruas de Montevideu de modo triunfal por milhares de pessoas, teve de enfrentar um ambiente bem mais hostil no seio do CIES, em plena ofensiva dos EUA4.

Ali, depois de enumerar muitas das agressões que o imperialismo norte-americano levou a cabo contra Cuba entre 1959 e 1961, Che explicou o que é a Revolução cubana – agrária, anti-feudal, anti-imperialista, que se foi transformando numa revolução socialista.

E explanou com clareza aquilo que representa a Revolução ao nível da distribuição da terra e da riqueza, da soberania nacional, da saúde e da cultura, da educação e da erradicação do analfabetismo, da política externa e da solidariedade internacionalista, da propriedade dos meios de produção, da participação dos trabalhadores nas decisões económicas do país, da igualdade entre homens e mulheres, da luta contra o racismo e pela afirmação da dignidade humana.

«As praias da nossa Ilha não serviam para que os pretos ou os pobres tomassem banho, porque pertenciam a um clube privado, e vinham turistas de outras praias que não gostavam de tomar banho com os pretos. [...] Era assim o nosso país. A mulher não tinha qualquer tipo de direito igualitário: pagava-se-lhe menos por trabalho igual; era discriminada, como na maioria dos países americanos», disse Che Guevara em Punta del Este 5.

Será como uma semente
O imperialismo canta «vitória» perante o guerrilheiro morto; julga que, ao aniquilar o homem físico, liquidou o seu pensamento – e não tem pejo em divulgar, como a coisa mais natural do mundo, as circunstâncias da morte, o assassinato após a captura, condena Fidel no seu discurso na Praça da Revolução, a 18 de Outubro de 1967.

«Che não caiu a defender outro interesse, outra causa que não a causa dos explorados e oprimidos neste continente; Che não caiu a defender outra causa que não a causa dos pobres e dos humildes desta Terra. E, perante a História, os homens que agem como ele, os homens que fazem tudo e dão tudo pela causa dos humildes agigantam-se a cada dia que passa, a cada dia que passa entram mais profundamente no coração dos povos», sublinha Fidel.

E acrescenta: «Os inimigos imperialistas começam a dar-se conta disso e não tardarão a verificar que a sua morte será, com o tempo, como uma semente de onde brotarão muitos homens decididos a emulá-lo, muitos homens decididos a seguir o seu exemplo.»

Encarar o futuro com optimismo
No combate às oligarquias e ao imperialismo, na luta por todos os oprimidos e explorados, o Che tornou-se um modelo de homem não só para o povo cubano, mas também para qualquer povo da América Latina, tendo conduzido à mais alta expressão a condição de revolucionário e elevado ao patamar mais alto «o espírito internacionalista proletário».

«É por isso, companheiros e companheiras da Revolução, que devemos encarar com firmeza e decisão o futuro; é por isso que devemos encarar com optimismo o futuro», declara Fidel. «Procurando sempre inspiração no Che.»

A homenagem e o reconhecimento a Che Guevara, naquela noite de há quase 50 anos, é também, quase no final «do impressionante acto», um louvor à multidão presente na praça, metonímia do povo cubano, resistente, revolucionário e solidário, a quem Fidel lança o repto de, «com optimismo absoluto na vitória definitiva dos povos», dizer ao Che e aos heróis que combateram e caíram com ele: «Até à vitória sempre! Pátria ou Morte!» 

Fonte: abrilabril.pt