terça-feira, 27 de setembro de 2016

Assinado o acordo de paz na Colómbia, depois de 52 anos de guerra

Juan Manuel Santos. Presidente da República, e o líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), Timochenko, cumprimentam-se durante a cerimónia de assinatura do acordo de paz Luis ACOSTA/AFP.
 
Acordo abrangente de paz entre o Governo de Bogotá e as FARC foi assinado numa cerimónia histórica em Cartagena. Documento de 297 páginas estabelece os critérios para o fim da luta armada e a reconversão da guerrilha marxista numa organização política legítima. Foi com uma caneta produzida a partir de um antigo projéctil que o Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, e o líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), Rodrigo Londoño (aliás, Timochenko), firmaram o pacto de paz que definitivamente encerra o mais longo conflito da América Latina, responsável por mais de 260 mil mortos e seis milhões de desalojados durante os últimos 50 anos. Numa histórica cerimónia, na cidade colonial de Cartagena, e perante dezenas de chefes de Estado e de Governo e milhares de convidados, a quem foi pedido que vestissem de branco, a assinatura do acordo de paz representa a esperança de uma nova era livre de ódio e violência. (Público)
 

Timochenko: Tratado aspira a sellar para siempre la vía de las armas
 
El comandante de las FARC-EP, Rodrigo Londoño, conocido como Timoleón Jiménez Timochenko, aseguró que con la firma del acuerdo final "abrimos un espacio para que las nuevas generaciones vivan en paz". Aseguró que "el tratado de paz aspira a sellar para siempre la vía de las armas". En nombre de las FARC-EP, Timoléon Jiménez ofreció perdón "a todas las víctimas del conflicto por todo el dolor que hayamos podido causar en esta guerra". (teleSUR)

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

A queda de Dilma teve ordem dos EUA

O famoso professor universitário e economista canadiano Michel Chossudovsky explica por que razão a queda de Dilma Rousseff foi ordenada por “Wall Street” e tenta desmascarar “os actores por trás do golpe”, num extenso artigo publicado pela primeira vez em Junho, mas reeditado na passada quinta-feira, 1 de Setembro, um dia após a consumação do “impeachment” no Brasil, a 31 de Agosto último.

“O controlo sobre a política monetária e a reforma macroeconómica eram os objectivos últimos do golpe de Estado. As nomeações principais do ponto de vista de Wall Street são o Banco Central, que domina a política monetária e as operações cambiais, o Ministério da Fazenda (Finanças) e o Banco do Brasil”, diz o artigo, destacando que, desde o governo de Fernando Henrique Cardoso, passando por Lula da silva e Temer, Wall Street tem exercido controlo sobre os nomes indicados para liderar essas três instâncias estratégicas para a economia brasileira.

“Em nome de Wall Street e do ‘consenso de Washington’, o ‘governo’ interino pós-golpe de Michel Temer nomeou um ex-CEO de Wall Street, com cidadania dos EUA, para dirigir o Ministério da Fazenda”, diz o artigo, referindo-se a Henrique Meirelles, nomeado em 12 de Maio último. 

Como observa o artigo, Meirelles, que tem dupla nacionalidade, brasileira e norte-americana, serviu como presidente do FleetBoston Financial (fusão do BankBoston Corp. com o Fleet Financial Group) entre 1999 e 2002 e foi presidente do Banco Central sob o governo de Luís Inácio Lula da Silva, entre 1 de Janeiro de 2003 e 1 de Janeiro de 2011.

Antes disso, o actual ministro brasileiro das Finanças (Fazenda), que volta ao poder sob o governo Temer após ter sido dispensado por Dilma em 2010, também actuou durante 12 anos como presidente do BankBoston nos EUA.

Já o actual presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, nomeado por Temer em 16 de Maio, também tem dupla nacionalidade, brasileira e israelita, e foi economista-chefe do Itaú, maior banco privado do Brasil. Segundo o artigo, Goldfajn “tem laços estreitos tanto com o Fundo Monetário Internacional (FMI) como com o Banco Mundial”. 

“Goldfajn já tinha trabalhado no Banco Central do Brasil sob as ordens de Armínio Fraga, bem como durante o mandato de Henrique Meirelles. Tem estreitos laços pessoais com o Professor Stanley Fischer, actualmente vice-presidente da Reserva Federal dos EUA, além de ter sido vice-director do FMI e ex-presidente do Banco Central de Israel. Desnecessário dizer que a nomeação de Golfajn para o Banco Central foi aprovada pelo FMI, pelo Tesouro dos EUA, por Wall Street e pela Reserva Federal dos EUA”, afirma o artigo.

Armínio Fraga, por sua vez, foi presidente do Banco Central entre 4 de Março de 1999 e 1 de Janeiro de 2003. Exerceu a função de director de fundos de cobertura (“hedge funds”) durante seis anos na Soros Fund Management (associada ao multimilionário George Soros), e também tem dupla nacionalidade brasileira e norte-americana.

“O sistema monetário do Brasil sob o real (moeda brasileira) é fortemente dolarizado. Operações da dívida interna são conducentes a uma dívida externa crescente. Wall Street tem o objectivo de manter o Brasil numa camisa de forças monetária”, explica o professor Michel Chossudovsky. Por isso, afirma o artigo, quando Dilma Rousseff aponta um nome não aprovado por Wall Street para a presidência do Banco Central, a saber, Alexandre António Tombini, cidadão brasileiro e funcionário de carreira no Ministério das Finanças, é compreensível que os interesses financeiros externos se articulem aos interesses das elites brasileiras para mudarem o quadro político no país. 

Contexto histórico 
No início de 1999, na sequência imediata do ataque especulativo contra o real, diz Chossudovsky, o presidente do Banco Central, Francisco Lopez, nomeado em 13 de Janeiro de 1999, a “Quarta-Feira Negra”, foi demitido pouco depois e substituído por Armínio Fraga, cidadão americano e funcionário da Quantum Fund, de George Soros, em Nova Iorque. “A raposa foi nomeada para tomar conta do galinheiro”, resume o artigo, afirmando que, com Fraga, os especuladores de Wall Street tomaram o controlo da política monetária do Brasil. 

Sob a liderança de Lula, a indicação de Meirelles para a presidência do Banco Central do Brasil deu seguimento à situação, diz o artigo, destacando que o nomeado já tinha trabalhado anteriormente como presidente e CEO dentro de uma das maiores instituições financeiras de Wall Street. “A FleetBoston era o segundo maior credor do Brasil após o Citigroup. Para dizer o mínimo, Meirelles estava em conflito de interesses. A sua nomeação foi acordada antes da ascensão de Lula à Presidência”, escreve o autor. 

Além disso, Meirelles foi um firme defensor do controverso Plano Cavallo da Argentina na década de 1990: “um ‘plano de estabilização’ de Wall Street que causou grandes estragos económicos e sociais”, segundo Chossudovsky. 

De acordo com Michel Chossudovsky, “a estrutura essencial do Plano Cavallo da Argentina foi replicada no Brasil sob o Plano Real, ou seja, a imposição de uma moeda nacional conversível dolarizada. O que este regime implica é que a dívida interna é transformada em dívida externa denominada em dólares”. 

Quando Dilma chegou à presidência em 2011, Meirelles foi retirado da presidência do Banco Central. Como ministro da Fazenda de Temer, ele defende a chamada “independência” do Banco Central. “A aplicação deste conceito falso implica que o governo não deve intervir nas decisões do Banco Central. Mas não há restrições para as ‘Raposas de Wall Street’”, refere o artigo, acrescentando que “a questão da soberania na política monetária é crucial” e que “o objectivo do golpe de Estado foi negar a soberania do Brasil na formulação da sua política macro-económica”. 

De facto, sob o governo Dilma, a “tradição” de nomear uma “raposa de Wall Street” para o Banco Central foi abandonada com a nomeação de Tombini, que permaneceu no cargo de 2011 até Maio de 2016, quando Temer assumiu a presidência interina do país. 

A partir daí, Meirelles, no Ministério das Finanças do governo interino, “indicou os seus próprios comparsas para chefiar o Banco Central (Goldfajn) e o Banco do Brasil (Paulo Caffarelli)”, refere o artigo do Global Research, sublinhando que o novo ministro tinha sido descrito pelosmeios de comunicação social dos EUA como “market friendly” (“amigo do mercado”). 

Operações de inteligência 
“O que está em jogo através de vários mecanismos – incluindo operações de inteligência, manipulação financeira e meios de propaganda – é a desestabilização pura e simples da estrutura estatal do Brasil e da economia nacional, para não mencionar o empobrecimento em massa do povo brasileiro”, afirma Chossudovsky. 

Segundo a tese do famoso professor, “Lula era ‘aceitável’ porque seguiu as instruções de Wall Street e do FMI”, mas Dilma, com um governo mais guiado por um nacionalismo reformista soberano, não pôde ser “aceite” pelos interesses financeiros dos EUA, apesar da agenda política neoliberal que prevaleceu sob o seu governo. “Se Dilma tivesse decidido manter Henrique de Campos Meirelles, o golpe de Estado muito provavelmente não teria ocorrido”, afirma o analista. 

“Um ex-CEO e presidente de uma das maiores instituições financeiras dos Estados Unidos (e um cidadão dos EUA) controla instituições financeiras importantes do Brasil e define a agenda macro-económica e monetária para um país de mais de 200 milhões de pessoas. Chama-se a isto um golpe de Estado... dado por Wall Street”, conclui Chossudovsky. 

Michel Chossudovsky, escritor premiado, é professor (emérito) de Economia da Universidade de Ottawa, fundador e director do Centro de Pesquisa sobre a Globalização (CRG) e editor da organização independente de pesquisa e meios de comunicação social Global Research. Leccionou como professor visitante na Europa Ocidental, no Sudeste Asiático e na América Latina, serviu como conselheiro económico para governos de países em desenvolvimento e tem trabalhado como consultor para várias organizações internacionais. É autor de 11 livros, publicados em mais de 20 línguas. Em 2014, foi premiado com a Medalha de Ouro de Mérito da República da Sérvia pela sua obra sobre a guerra de agressão da OTAN contra a agora desmembrada Jugoslávia.

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Santiago do Chile 2016

Manifestante em Santiago do Chile, olha para um policia anti-motim durante uma manifestação para assinalar o aniversário do golpe militar de 1973.
Foto: Carlos Vera / Reuters

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Serás um pateta com a mente controlada pela CIA ?

Faz você um sorriso escarninho quando ouve alguém questionar as narrativas oficiais de Orlando, San Bernardino, Paris ou Nice? Sente-se você superior a 2.500 arquitectos e engenheiros, bombeiros, pilotos comerciais e militares, físicos e químicos, assim como a antigos altos responsáveis do governo que levantaram dúvidas acerca do 11/Set? Se assim é, você reflecte o perfil de um pateta com mentalidade controlada pela CIA.

A expressão "teoria da conspiração" foi inventada e posta a circular no discurso público pela CIA, em 1964, a fim de desacreditar os muitos cépticos que contestavam a conclusão da Comissão Warren de que o presidente John F. Kennedy fora assassinado por um pistoleiro solitário chamado Lee Harvey Oswald, o qual por sua vez foi assassinado enquanto sob a custódia da polícia antes que pudesse ser interrogado. A CIA utilizou seus amigos nos media para lançar uma campanha a fim de tornar suspeições do relatório da Comissão Warren alvo de ridículo e hostilidade. Esta campanha foi "uma das iniciativas de propaganda de maior êxito de todos os tempos".

Assim escreve o professor de ciência política Lance deHaven-Smith, o qual no seu livro revisto por especialistas (peer-reviewed)
Conspiracy Theory in America , publicado pela University of Texas Press, conta como a CIA teve êxito ao criar na mente do público a estigmatização reflexiva e automática daqueles que contestavam explicações do governo. Este é um livro extremamente importante e fácil de ler, um daqueles raros livros com o poder de arrancá-lo de The Matrix.

O professor deHaven-Smith pôde escrever este livro porque o original do CIA Dispatch #1035-960, o qual estabelece a trama da CIA, foi obtido através de um requerimento ao Freedom of Information Act. Aparentemente, a burocracia não encarou um documento tão velho como sendo de qualquer importância. O documento está marcado "Destruir quando não for mais necessário", mas por alguma razão não o foi. O Despacho #1035-960 da CIA é reproduzido no livro.

O êxito que a CIA teve ao estigmatizar o cepticismo a explicações do governo tornou difícil investigar Crimes de Estado Contra a Democracia (State Crimes Against Democracy, SCAD) tais como o 11/Set. Com a mente do público programada para ridicularizar "lunáticos da conspiração", mesmo no caso de eventos suspeitos como o 11/Set o governo pode destruir provas, ignorar procedimentos prescritos, atrasar uma investigação e a seguir formar um comité político para colocar o seu imprimatur sobre a narrativa oficial. O professor deHaven-Smith nota que em eventos tais como o assassinato de Kennedy e o 11/Set na investigação nunca são empregues os procedimentos oficiais da polícia.

O livro do professor deHaven-Smith's apoia o que tenho contado aos meus leitores: o governo controla a narrativa desde o princípio ao ter a explicação oficial pronta no momento em que ocorre o SCAD. Isto faz de qualquer outra explicação uma "teoria da conspiração". Isto é o modo como coloca o professor deHaven-Smith:
"Uma abordagem SCAD para memes [1] supõe mais uma vez que a CIA e outras possíveis agências participantes estejam a formular memes bem antes das operações e, portanto, memes SCAD aparecem e são popularizados muito rapidamente antes que quaisquer conceitos competidores entrem em cena".
O êxito da CIA no controle da percepção pública quanto ao que os nossos Pais Fundadores teriam encarado como eventos suspeitosos envolvendo o governo permite àqueles em posições de poder dentro do governo orquestrarem eventos que servem agendas ocultas. Os eventos do 11/Setembro criaram um novo paradigma de guerra sem fim em prol de um mundo dominado por Washington. O êxito da CIA no controle das percepções públicas tornou impossível investigar crimes da elite política. Consequentemente, agora é possível ser responsável da política do governo dos EUA para a traição.

O livro do professor deHaven-Smith contar-lhe-á a narrativa do assassinato do presidente Kennedy por elementos militares dos EUA, da CIA e do Serviço Secreto. Assim como a Comissão Warren encobriu o Crime de Estado Contra a Democracia, o professor deHaven-Smith mostra porque deveríamos duvidar da narrativa oficial do 11/Set. E de outras coisas que o governo nos conta.

Leia este livro. É curto. É barato. É preparação para a realidade. Ele o preservará de ser um americano idiota, indiferente e com o cérebro lavado. Estou surpreendido por a CIA não ter comprado toda a edição e queimado os livros. Talvez a CIA se sinta segura com o seu êxito em lavar os cérebros do público e não acredite que a democracia americana e um governo responsável possam ser restaurados.        
  
[1] Memes: idéia, prática social, conceito ou ação que se torna norma e é conscientemente repetido numa sociedade (termo cunhado por Richard Dawkins no livro "The Selfish Gene", 1976)       
Artigo de Paul Craig Roberts encontra-se em: www.paulcraigroberts.org/...               
Fonte:
http://resistir.info/