segunda-feira, 5 de novembro de 2012

As eleições para a presidência dos EUA

Pode o candidato com menos votos expressos nas urnas ganhar as eleições para a presidência dos EUA ?
 
Por incrível que pareça, a resposta é SIM.
 
O sistema eleitoral que elege o presidente dos EUA, tem por base a eleição direta dos membros do chamado "Colégio Eleitoral". Os membros do  "Colégio Eleitoral" são quem na prática decidirá o novo presidente dos EUA. Objetivamente os cidadãos norte-americanos, no dia 6 de novembro 2012 serão chamados a eleger os membros do "Colégio Eleitoral" e não o presidente dos EUA. A distribuição por estado e a eleições dos membros do "Colégio Eleitoral" tem já na sua origem distorções à regra da proporcionalidade impensáveis noutras latitudes, mas que são inquestionáveis no "farol da democracia" e vão perdurando no tempo.
 
Dado que cada um dos 50 estados dos EUA elege os seus representantes neste órgão eleitoral, o peso de cada estado é diferente e não têm por base apenas o número de habitantes do estado e a sua proporcionalidade relativamente ao todo. Existem “fatores de correção” que distorcem a proporcionalidade. Assim é possível que 1 voto de um cidadão do estado do Wyoming  valer tanto como 4 votos de cidadãos de Nova Iorque na escolha final do presidente. Verifica-se que estados com maior número de habitantes, em regra precisam de um maior número de votantes para eleger os seus membros do "Colégio Eleitoral".
 
Tudo isto confere uma importância eleitoral a estados de menor dimensão populacional e que coincidentemente são em geral estados onde predomina o obscurantismo e o fundamentalismo religioso. Neste conjunto de estados, conhecidos de forma satírica por Jesusland, as questões religiosas são as questões que dominam a campanha eleitoral e são aquelas que a decidem. Ver este Exemplo
 
 

 
Um caso paradigmática, é o estado do Utah, dominado pela mega seita/empresa religiosa Mórmon (70% da população do Utah é Mórmon), têm um peso eleitoral  de 1 membro de colégio eleitoral por cada 315 476 votos, em contraponto aos 508 344 votos por membro do colégio universal do estado da  Califórnia.
 
Foi assim  que na  eleição presidencial realizada em 2000, o candidato Al Gore com 50 999 897 votos perdeu a eleição para G. W .Bush com 50 456 002 votos.

 
É a "democracia made in USA" no seu melhor !

2 comentários:

  1. Esse "sistema" indireto, abre margem para muitos acordos e esquemas.

    ResponderEliminar
  2. Gostei da democracia americana.
    Boa matéria.

    ResponderEliminar