terça-feira, 20 de dezembro de 2011

As luzes e as trevas...

As luzes e as trevas. Uma história em que se denuncia que o glamour das passerelles de Nova Iorque, Milão ou Paris é alimentado pelo trabalho infantil escravo no Burkina Faso. Ou como o “comércio justo” e a “responsabilidade social corporativa”, são armas de marketing que escondem através da publicidade colorida uma realidade muito diferente.


A famosa marca de lingerie feminina Victoria Secret foi recentemente citada numa reportagem da Bloomberg News, que acusa a empresa de utilizar crianças desnutridas pobres, na África Ocidental, para escolher o melhor algodão que é usado na como matéria-prima das suas roupas. A repórter Cam Simpson documenta a história de uma menina de 13 anos de idade, que trabalha numa fazenda no Burkina Faso, que vem operando sob o disfarce de um programa de comércio justo projectado para ajudar as mulheres e crianças, patrocinado pela famosa marca. Frequentemente espancada e abusada verbalmente, a jovem destaque na história, foi encontrada a trabalhar em condições sub-humanas, tudo para escolher o melhor algodão que vai ser utilizado para confecionar as peças de lingerie que irão desfilar sob os holofotes e os flashes dos fotógrafos nas passerelles do primeiro mundo.

Reportagem completa: Bloomberg News

Sem comentários:

Enviar um comentário