quinta-feira, 29 de julho de 2010

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Uma história mal contada

Noticia o JN que Rui Rio mais os seis vereadores da coligação PSD/CDS que manda na Câmara do Porto chumbaram uma proposta do vereador Rui Sá, da CDU, no sentido de ser atribuído o nome de José Saramago a uma rua da cidade. Não custa a crer que Rio e os "seus" vereadores estejam a ser injustamente acusados de mesquinhez e que a responsabilidade do sucedido caiba, sim, ao vereador Rui Sá. 

Com efeito, este terá dado por assente que Rio e o PSD/CDS soubessem quem foi José Saramago, não tendo tido o cuidado de lhes explicar tratar-se de um escritor português recentemente falecido, Prémio Nobel da Literatura (o único Nobel da língua portuguesa).  Se o tivesse feito, decerto Rio exclamaria "Ah, sim? Não me diga!", logo votando favoravelmente a proposta, seguido em ordem unida por todo o pelotão PSD/CDS. 

Quando, daqui a uns anos, Rui Rio (quem?) for recordado como um camarário do tempo de Saramago que tentou impedir que o seu nome fosse dado a uma rua do Porto (assim como um tal Sousa Lara ficou conhecido por ter censurado "O Evangelho segundo Jesus Cristo"), era bom que se contasse a história toda.

Texto de Manuel António Pina publicado no Jornal de Noticias

segunda-feira, 19 de julho de 2010

No 1º semestre de 2010 foram mortos 59 jornalistas...nenhum deles foi em Cuba.

Já com 59 jornalistas mortos no exercício das suas funções desde o início do ano (em 2009 tinham sido 53), os media pagam um pesado tributo às guerras e aos conflitos internos, acusa a ONG Presse Emblème Campagne. Os países mais perigosos para os jornalistas foram o México (nove mortos), Honduras (oito), Paquistão (seis), Nigéria (quatro) e Filipinas (quatro), segundo os dados recolhidos pela ONG, com sede em Genebra, que defende uma melhor protecção dos jornalistas nas zonas de conflito.

Mais três jornalistas foram mortos na Rússia, outros três na Colômbia e dois cada em quatro países: Iraque, Nepal, Tailândia e Venezuela. Em cada um dos seguintes países foi morto um jornalista: Afeganistão, Angola, Bangladesh, Brasil, Bulgária, Camarões, Chipre, Equador, Israel, RD Congo, Ruanda, Turquia, Somália e Iémen.


Nota: Em 2009 foram contabilizado 122 jornalistas mortos, e em 2008 tinham sido assassinado 91 jornalistas.

Em 51 anos de revolução cubana, não há um único registo de jornalistas assassinados ! Nada é mais transparente do que os factos, contra a manipulação mediática !

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Um pouco de história

La excarcelación de los presos políticos cubanos me lleva atrás en la memoria, a aquellos días de la primavera del 2003 cuando los periodistas nos juntábamos fuera de los tribunales para tratar de obtener algún retazo de información sobre lo que ocurría dentro. Pero a decir verdad para poder entender lo sucedido habría que remontarnos más atrás, a las actividades del nuevo representante diplomático de EE.UU. e incluso un poco más, a la captura y juicio en Miami de una red de agentes cubanos. Según cuentan, la detención de la Red Avispa se produjo gracias a las informaciones que el propio Fidel Castro ordenó que se le entregaran al FBI. Esperaban que éste actuara contra los grupos anticastristas que realizaban acciones violentas contra la isla. En vez de eso, los investigadores estadounidenses utilizaron la información para ubicar a los agentes cubanos de Miami y arrestarlos. La mayoría de los detenidos llegó a acuerdos con la fiscalía pero 5 de ellos se negaron y fueron condenados a durísimas penas.
Durante un tiempo el gobierno cubano hizo gestiones discretas con la esperanza de lograr un acuerdo extrajudicial, similar al obtenido recientemente por los agentes rusos. Sin embargo, Washington les aplicó todo el rigor de la ley, incluso más, permitiendo que el juicio se realizara en una ciudad con tantos prejuicios como Miami. La situación de estos 5 cubanos presos era el mejor reflejo del deterioro de las relaciones bilaterales. En el 2003 aparece en la sede diplomática de EE.UU. en La Habana, James Cason, sin lugar a dudas el más escandaloso y pintoresco de todos los jefes que han pasado por la SINA. Hace pocos días leía que documentos desclasificados prueban que su misión era romper las mínimas relaciones diplomáticas entre Cuba y EE.UU., limitadas a las Oficinas de Intereses, creadas durante las negociaciones entre Fidel Castro y Jimmy Carter. Su primera acción fue comenzar a reunirse con los disidentes cubanos antes de presentar cartas credenciales al Ministerio de Relaciones Exteriores, rompiendo todas las reglas de protocolo. Y no solo lo hizo en La Habana, también salió a recorrer las provincias.
Poco después el gobierno cubano lanzaba un operativo masivo contra esos disidentes, los acusaba de mercenarios por recibir dinero del gobierno de EE.UU. e iniciaba un proceso contra 75 de ellos, una cifra que no casualmente era múltiplo de 5. Varios de los opositores más connotados, como los periodistas Néstor Baguer y David Orrio, se revelaron como agentes del gobierno infiltrados en la disidencia y aparecieron ante los tribunales como principales testigos de la fiscalía. La confrontación estaba en su apogeo. Recuerdo que la agente Odilia Collazo -quien hasta ese momento había sido una reconocida líder opositora- me dijo que no sentía lastima por los condenados porque a "ellos tampoco les tembló la mano" para pedirle a EE.UU. que mantenga el Embargo Económico contra Cuba. Algunos comenzamos a pensar que estas detenciones tenían que ver con la situación de los 5 agentes cubanos presos en EE.UU. Se lo pregunté directamente al entonces Canciller Felipe Pérez Roque, pero lo negó rotundamente. Sin embargo, el tiempo pasa y casi todo lo "desclasifica". Apenas Raúl Castro asumió oficialmente la presidencia ofreció el canje de presos a EE.UU. Lo hizo a través del primer visitante extranjero que llegó a Cuba, el enviado del Papa, Cardenal Tarcisio Bertone.
Washington no aceptó el trueque y el Presidente Raúl Castro se enfrentó a la disyuntiva de qué hacer con esos presos. Internacionalmente eran reconocidos como prisioneros de conciencia y, a raíz de la muerte de otro en huelga de hambre, la campaña por su liberación se había intensificado. Hay quienes creen que el gobierno cubano libera los presos forzado por la actividad de las Damas de Blanco y la huelga de Fariñas, otros son de la opinión de que fue producto de la negociación tripartita y también están los que dicen que es una decisión unilateral de La Habana. Al margen de quien tenga razón, lo cierto es que con las excarcelaciones se benefician todos, en primer lugar los presos y sus familias. Pero también Madrid fortalece su posición negociadora en Europa y la Iglesia Católica se reafirma como interlocutor privilegiado. Por su parte, Raúl Castro consolida su relación con España y el Vaticano. Además, hace un gesto clave en el momento preciso, cuando la Unión Europea se muestra dispuesta a revisar su política y el Congreso de EE.UU. discute una ley que autorizaría el turismo a Cuba.

Texto de Fernado Ravsberg
Joranalisa Uruguaio, correspondente permanente da BBC em Havana.
Escreve no Blog Cartas Desde Cuba

terça-feira, 13 de julho de 2010

Israel expulsa por terrorismo um palhaço !


“Somos un ejército, pero de soñadores”

Los payasos suelen representar situaciones estrambóticas, pero lo que le sucedió al payaso español Lokonuk rebasó los límites de lo kafkiano. La semana pasada aterrizó en Israel para participar en una caravana clown dirigida a niños en campamentos de refugiados palestinos. Pero no logró salir del aeropuerto: fue interrogado hasta el cansancio por las autoridades, enviado a una celda y deportado al día siguiente a España “como un criminal”. Los servicios de seguridad israelíes aseguran que tiene “lazos con organizaciones terroristas palestinas”.

“Parece ser que terrorismo es hacer que los niños se rían”, explica Lokonuk, entrevistado telefónicamente por 20 minutos, entre risas. “A ver si ahora me van a meter en la lista de los terroristas más buscados”.

Lokonuk es Iván Prado, cofundador de la organización gallega Pallasos en rebeldía, una organización que se dedica a llevar diversión a zonas difíciles, al estilo de otras organizaciones como Payasos sin Fronteras. Han actuado, por ejemplo, en los territorios zapatistas en Chiapas, México. También dirige el Festiclown (Festival Internacional de Clown de Galicia) y preparaba un festival internacional en territorio palestino.

Fonte: Cubadebate

Cimeira do G20: presa por atirar bolas de sabão à polícia...


A cimeira dos G-20 aconteceu em finais de Junho em Toronto, no Canada.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Porque foram condenados os presos que Cuba vai libertar ?

A igreja católica de Cuba anunciou, dia 7, um acordo com o governo de Raúl Castro e o cardeal Jaime Ortega, arcebispo de Havana, com a assistência do ministro de Relações Exteriores da Espanha, Miguel Ángel Moratinos, para libertar 52 presos remanescentes do desmantelamento da conspiração de 2002/2003 pelo fim do socialismo na ilha. Além dos questões humanitárias, o tema envolve aspectos políticos referentes à resistência antiimperialista na ilha que não podem ser postas de lado. O acordo beneficia 52 presos; cinco presos terão libertação imediata (Antonio Villarreal Acosta, Lester González Pentón, Luis Milán Fernández, José Luis García Paneque e Pablo Pacheco Ávila), e os demais 47 sairão num prazo entre três e quatro meses e poderão viajar para a Espanha, "se assim o desejarem", como declarou o chanceler espanhol. Em maio, quando as negociações entre o governo de Havana e a Igreja começaram, já havia sido libertado o preso Ariel Sigler.
Os presos fazem parte de um grupo detido, julgado e condenado em 2003 por fazerem parte de uma ampla conspiração antissocialista articulada em torno do chamado Projeto Varela, que, com apoio ativo do governo dos EUA, reuniu 48 organizações antirrevolucionárias (cinco delas com sede nos EUA) para investir contra o governo socialista e iniciar o que chamavam de "transição" para o capitalismo. O plano previa a formação de uma grande aliança opositora com o objetivo de restabelecer a Constituição de 1940 e, segundo Angel Polanco (presidente do Comitê Pró-Mudança), obter adesões a um abaixo-assinado pela renúncia do governo socialista, pela mudança no sistema político e pela convocação de um Congresso da República, levando ao poder um governo provisório para promover o desmonte do estado socialista. Apresentada pela imprensa conservadora como um movimento pacifista de oposição ao regime instaurado em 1959, o Projeto Varela fez parte da tentativa norte-americana de desestabilizar o regime e surgiu num ambiente onde as ameaças contra a soberania e a independência de Cuba se multiplicavam.
Declarações de autoridades norte-americanas deixavam claro que ele fazia parte dos preparativos da invasão da ilha. Em 2002 o governador da Flórida, Jeb Bush (irmão de George Bush), pedira ao irmão presidente para providenciar aquela invasão; o embaixador dos EUA na República Dominicana, Hans Hertell disse que o ataque ao Iraque era um "sinal muito positivo e exemplo muito bom para Cuba", sendo o começo de "cruzada libertadora que abarcará todos os países do mundo, Cuba incluída"; o secretário da Defesa Donald Rumsfeld disse, por sua vez, que, se fossem encontrados sinais de armas de destruição em massa em Cuba, "teríamos de agir". Em abril de 2003 o governo Bush colocou Cuba no "eixo do mal", países que estavam na mira dos EUA por resistirem a suas ameaças de agressão. Um dos pretextos para isso era a acusação falsa feita por John Bolton, subsecretário de Estado, de que Cuba mantinha um programa de armas biológicas. Em outubro de 2003, o próprio Bush disse que "Cuba deve mudar" e que, evidentemente, "o regime de Castro não mudará por decisão própria". E em dezembro circulavam notícias de que vários órgãos do governo dos EUA trabalhavam em planos para a intervenção em Cuba. No interior da ilha, sob a coordenação de James Cason, chefe do Escritório de Interesses dos EUA em Cuba, os preparativos para a ação contra o governo socialista foram acelerados. A distribuição de dólares foi farta, envolvendo desde o apoio à implantação de emissoras de rádio até o pagamento de cerca de 100 dólares mensais para aqueles que compareciam àquele departamento que é uma espécie de embaixada não formal dos EUA.
Foi uma enxurrada de pelo menos 45 milhões de dólares para financiar a conspiração. Em 2000 a Agência Internacional para o Desenvolvimento dos EUA (Usaid) deu 670 mil dólares para a publicação de panfletos anticomunistas. Outro 1,6 milhão de dólares foi destinado para ONGs contrarrevolucionárias; mais 2,4 milhões foram para o planejamento da "transição" e avaliação do programa. O Centro para uma Cuba Livre recebeu 2,3 milhões em 2002 para aliciar grupos de oposição; o Grupo de Trabalho da Dissidência Interna ficou com 250 mil; Freedom House e seu Programa para a Transição de Cuba teve 1,3 milhão; o Grupo de Apoio à Dissidência, 1,2 milhão; a agência Cubanet, 1,1 milhão entre 2001 e 2002; o Centro Americano para o Trabalho Internacional de Solidariedade, 168 mil; a Ação Democrática Cubana, 400 mil em 2002. Enquanto isso, o secretário de Estado assistente para Assuntos do Hemisfério Ocidental, Curtis Struble, disse que a Usaid investiria mais 7 milhões na conspiração anticastrista, e o general Colin Powell, secretário da Estado de Bush, anunciou o investimento de 26,9 milhões na Rádio e na Televisão Martí, mantidas pela CIA para transmitir programação contrarrevolucionária e articular a ação dos conspiradores. Foi a participação ativa nesta conspiração estrangeira contra o governo de seu país que levou à prisão daqueles que, agora, são beneficiados pelo acordo entre o governo de Raúl Castro e o cardeal Jaime Mendonça. Eles foram condenados sob a acusação de crimes contra a independência e a integridade territorial de Cuba. Foram condenados por trair a pátria socialista a serviço da principal potência imperialista de nosso tempo, os EUA.

Editorial de 9/7/2010 do portal Vermelho

Vinicius de Moraes



Completam-se hoje trinta anos da morte de Vinicius de Moraes. O poeta morreu aos 66 anos de idade, sendo hoje reconhecido como uma das figuras mais marcantes da poesia e música popular brasileira.





Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Toquinho e Miúcha (1977)

Canción Mixteca (II)


The Chieftains com Los Tigres del Norte.
Projecto San Patricio

domingo, 4 de julho de 2010

FotoCAM 2010

Dalí e o Sol.
Fotografia de CARLOS ROSILLO.

Primeiro día abertura da estação dos arredores de El Sol.
Fotografía de SERGIO BARRENECHEA
As quatro torres. Fotografia de ÁLVARO GARCÍA
Fotografía vencedora do fotoCAM 2010.
Noite em branco.
Fotografia de ALEJANDRO OLEA PEDRERA
Plaza mayor.
Fotografia de GONZALO ARROYO
La soledad.
Fotografia de SAMUEL SÁNCHEZ.

The World Cup and the Politics of Immigration

The World Cup has produced some mercurial moments, with defending champions Italy getting the early boot, all African teams but Ghana vanquished in the first round, and longshots like Japan and Slovakia advancing to the knockout round. We’ve heaped plenty of scrutiny on England’s lack of zest, South America’s well-deserved success, and France’s pathetic implosion. But the tournament has also provided compelling political undercurrents that deserve our attention.

For starters, several European countries with borderline draconian immigration policies have benefited massively from immigration. While the right-wing ratchets up its anti-immigrant rhetoric, it’s immigrants who have actually helped these countries achieve World Cup success. Take Germany. Without Mesut Ozil—the son of a Turkish guest worker—whose left-footed zinger against Ghana vaulted Germany to the second round, the Germans would not only be manifestly less imaginative but long ago would’ve been back in Deutschland nursing hefeweizen and watching the rest of the tournament on television. Brazilian-born Cacau has injected energy into Germany’s attack after securing citizenship last spring. His striking partner Miroslav Klose was born in Poland as was Lukas Podolski — and both were stars in Germany’s 2006 World Cup campaign.

In Switzerland, where leading political party, the Union Démocratique du Centre, has pushed anti-immigrant policy and tried to outlaw the construction of minarets, Gelson Fernandes, who was born in Cape Verde, scored the gamewinner against mighty Spain while Congo-born Blaise Nkufo has provided a consistent, muscular presence up front. And where would Portugal be without their skillful Brazilian-born trifecta of Pepe the enforcer, striker Liedson, and midfield stalwart Deco whose play was pivotal in getting Portugal to South Africa in the first place? Despite racist wailings from Arizona, the US squad has also benefited from immigration. Jozy Altidore—who was vital to US success in this World Cup—has parents who emigrated from Haiti. Altidore regularly wears a wristband with a Haitian flag on it to acknowledge his heritage — to be sure, the wristband also has an American flag on it.

Artigo completo na CounterPunch de JULES BOYKOFF

sábado, 3 de julho de 2010

Elián Gonzalez, 10 anos depois


Após uma longa disputa diplomática e judicial, a 22 de Abril de 2000, Elián Gonzalez, com sete anos é resgatado por policias de imigração à familia de Miami, na seuqência de uma ordem judicial para que a criança fosse devolvido ao seu pai em Cuba. A fotografia de Alan Diaz (AP) ganharia nesse ano o Prémio Pulitzer.

Elian, 10 anos depois. Fotografia EPA/Adalberto Roque.


Elián diz ser feliz dez anos após regressar a Cuba

Tem apenas 16 anos mas já é o rosto de uma das mais importantes vitórias cubanas sobre os EUA. Não é por isso de estranhar que o décimo aniversário do regresso de Elián González a Cuba tenha sido assinalado com um acto oficial na Catedral Episcopal da Santíssima Trindade, em Havana. Ao lado do menino balsero, que em 1999 sobreviveu ao naufrágio que o levou para a Florida, esteve o Presidente cubano, Raúl Castro.
"É a terra a que pertenço, aqui sinto-me bem", disse Elián aos jornalistas depois da cerimónia religiosa - que assinalou também o 10.º aniversário da primeira visita do ex-líder cubano Fidel Castro à catedral. "Graças à ajuda de grande parte do povo norte-americano e do nosso povo, hoje estou com o meu pai, e isso é tudo", acrescentou o jovem, que estuda numa academia militar e vive resguardado pelo regime. Razão pela qual não costuma falar com os media. Há dez anos, as ruas de Havana encheram-se de pessoas para acolher Elián, depois da vitória jurídica que concedeu a custódia ao seu pai. A mãe tinha morrido no naufrágio e, em Miami, o menor teve de ser arrancado à força da família. "Apesar de não nos terem apoiado, não lhes guardo rancor", admitiu Elián. Já o seu pai disse que os cubanos se portaram "melhor" que a sua família.

Música africana contemporânea 16 - Orchestre Poly-Rythmo de Cotonou



Orchestre Poly-Rythmo de Cotonou - página web oficial

Fucile

Uruguai x Gana. Fotografia  EPA/SRDJAN SUKI

Fucile: "Estávamos no inferno, ressuscitámos e ganhámos"