domingo, 31 de janeiro de 2010

Famous Literary Drunks & Addicts

Louisa May Alcott (1832 - 1888): Opium
The author of Little Women began using morphine to ease the after-effects of typhoid fever contracted during service as a nurse during the Civil War. Photo: Hulton Archive/Getty Images. Jan 01, 1868

Jack Kerouac (1922 - 1969): Alcohol
"I'm Catholic and I can't commit suicide, but I plan to drink myself to death." And so he did. Photo: John Cohen/Getty Images. Jan 01, 1959
Jean Cocteau (1889 - 1963): Opium
"To smoke opium is to get out of the train while it is still moving." The great French poet, novelist, dramatist, playwright, and filmmaker kicked his opium addiction in 1929. Photo: Evening Standard/Getty Images. Jan 01, 1960.

Ernest Hemingway (1899 - 1961): Booze
Notorious for making fun of his fellow writers who sought relief from their own alcoholism (when Fitzgerald admitted that alcohol had bested him, Hemingway urged him to toss his "balls into the sea -- if you have any balls left"), Papa himself was an increasingly messy drunk. George Plimpton once famously observed that by the end, Hemingway's ruined liver protruded from his belly "like a long fat leech." Photo: Apic/Getty Images . Jan 01, 1950

Todo o "Famous Literary Drunks & Addicts" do arquivo da Life Magazine.

Alexanderplatz, Berlim (2)

Fotografia Sarrabulho, Berlim 2009

Alexanderplatz, Berlim (1)

Fotografia Sarrabulho, Berlim 2009

Agente norte-americano detido em Cuba por espionagem.

HAVANA (Reuters) - A U.S. contractor accused by Cuba of distributing illegal communications equipment remains under investigation, and his alleged actions would be considered a "serious crime" anywhere in the world, Cuban Foreign Minister Bruno Rodriguez said on Thursday.

Electric Marrakesh





Tó Trips no My Space.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

El tren del infierno - (II)

Al infierno sin billete
Los emigrantes realizan los más de 5.000 kilómetros de travesía encaramados en el techo del tren, e incluso en los pequeños huecos entre vagón y vagón.

Saúl: "El camino es mucho cansancio y malos recuerdos"
"Muuuuuchos", responde Saúl, hondureño de 25 años. El camino es letal, y él lo ha recorrido hacia arriba y ahora está terminando de recorrerlo de bajada, hacia Centroamérica, con su amigo José, de 36 años. Ida y vuelta. Es normal que cuando se le pregunta si ha visto emigrantes muertos alargue la palabra. Saúl y José se conocieron cuando ya el camino los había derrotado. Entre los dos han sido testigos de ocho muertes. "Recuerdo aquel que en la cordillera de hielo se cayó del tren. La Bestia le arrancó las dos piernas y pudimos ver cómo él se arrastró hasta meter la cabeza en las vías", dice José. Ellos son el ejemplo de cómo estas rutas a muchos sólo les dejan recuerdos podridos, muertos en la cabeza. Ambos lo intentaron. Uno, por Tijuana (Baja California); el otro, por Piedras Negras (Coahuila). Y se dieron cuenta de que para dar el brinco a Estados Unidos, el paso final después de casi un mes de viaje, es necesario un coyote. Y ésos cobran mucho, entre 2.000 y 5.000 dólares. Hartos de intentar entregarse a migración para ser deportados y de no conseguir más que una respuesta -"Si se vinieron en tren, ya saben el camino de regreso"-, desandan su camino. Saúl condensa su experiencia: "Cansancio, mucho cansancio, y malos recuerdos".


Miles de dramas
Los emigrantes se exponen a enormes peligros en su arga travesía hacia EE UU. Miles de ellos, provenientes de Centroamérica, son secuestrados y tratados con extrema crueldad mientras atraviesan territorio mexicano.

Fotografias de ISABEL MUÑOZ e Texto de ÓSCAR MARTÍNEZ, publicado no El País.

Demarche Figée Sur Luttumstr.



Norberto Lobo no My Space.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

El tren del infierno - (I)

Óscar: "Para atrás, sólo para agarrar impulso"
"Tuve un problema bien serio, no puedo hablar", dijo en las vías antes de echarse a llorar. Óscar tiene 14 años y el problema ocurrió cuando tenía 13, cuando seguía siendo un niño. Este muchacho de la aldea de Guadalupe (Honduras) poco a poco fue soltando aquel nudo en la garganta. Cuando lo hizo utilizó una frase contundente y un silencio prolongado: "Es que maté a un hombre". Óscar mató a Selvin, un hombre de unos 35 años que había sido acusado de matar a su hermano mayor, un policía municipal. Dice que sólo se defendió, que su atacante, borracho, se le tiró encima sólo por ser hermano del difunto. Ahí empezó la historia de este niño emigrante. Tomó su bicicleta y pedaleó hasta la frontera con México, donde la dejó tirada al lado del río Suchiate. "Los hermanos de Selvin me andan buscando. Si me encuentran, me matan", describía el pequeño. La segunda vez que lo vimos, volvía de su deportación. Lo pusieron en la frontera, del lado centroamericano, pero el muchacho inició de nuevo su camino. "Es que para atrás", repite, "sólo para agarrar impulso".


Donar Antonio: "Cuesta recuperar la vida, pero se puede"
"Es difícil explicarle a los tuyos que saliste a buscar dinero y regresaste sin las piernas". Fue cuestión de segundos, recuerda el hondureño Donar Antonio Espinal. "Estaba muy cansado, no había dormido bien en días". Sin embargo, viajó. Se colgó de la máquina en la frontera entre Guatemala y México. Trepó al techo, como otros miles de polizones centroamericanos lo han hecho desde hace más de tres lustros. Allá arriba, el sueño lo venció. Tenía 20 años y sólo despertó cuando sus nalgas chocaron contra la tierra y el tren que empezaba a frenar, ya en sus últimas vueltas de rueda, le arrancó las piernas. Cinco años después sabe lo que es depender de una silla de ruedas. Ahora, elocuente y parlanchín, recorre albergues del Sur contando su historia y escuchando la de otros que como él dejaron un pedazo en el camino. "Creen que la vida se acabó, que no vales nada. Yo ando por ahí diciéndoles que cuesta, pero que se puede".


Jéssica: "A algunos, la vida sólo nos juega sucio"
"Largate de aquí, perra". Ésas fueron las palabras que Jéssica Meléndez escuchó de su madre cuando regresó a Honduras con sus dos hijos después de vivir durante años con un marido maltratador en Nogales, frontera entre Estados Unidos y México. Volvió a los trenes, pero esta vez con los dos brazos ocupados y los ojos pendientes de Óscar Eduardo, su hermano de nueve años. "Mi padrastro le pegaba mucho en Honduras y decidí traérmelo". Sólo tiene 20 años, pero ya sabe lo que es matar. Cuando entre Arriaga e Ixtepec un hombre la quiso violar en el tren en marcha, ella logró lanzarlo de una patada hacia las ruedas. Nos despedimos de Jéssica, sus dos hijos y su hermano en Medias Aguas. La dejamos ahí, intentando llegar hasta su habitual verdugo, el padre de sus hijos. Días después nos enteramos de que fue secuestrada en Tierra Blanca, una estación más adelante. "A algunos", nos dijo Jéssica, "la vida sólo nos juega sucio".

Fotografias de ISABEL MUÑOZ e Texto de ÓSCAR MARTÍNEZ, publicado no El País.

A Guernica de Picasso explorada em 3D




Toda a gente conhece a Guernica, um painel pintado a óleo com 782 x 351cm, que Pablo Picasso apresentou em 1937 na Exposição Internacional de Paris. A tela, a preto e branco, representa o bombardeamento sofrido pela cidade espanhola de Guernica em 26 de Abril de 1937 por aviões alemães e actualmente está exposta no Centro Nacional de Arte Rainha Sofia, em Madrid. O pintor, que morava em Paris na altura, soube do massacre pelos jornais e pintou as pessoas, animais e edifícios destruídos pela força aérea nazi tal como os viu na sua imaginação. Agora uma artista nova-iorquina, Lena Gieseke, que domina as mais modernas técnicas de infografia digital, decidiu propor uma versão 3D da célebre obra e colocá-la na net soba forma de um vídeo. O resultado é fascinante e permite-nos visualizar detalhes que de outro modo nos passariam despercebidos. Esta técnica inovadora revela-se um instrumento poderoso para compreender melhor a forma de trabalhar do pintor e até o modo como funcionava a sua imaginação.

domingo, 24 de janeiro de 2010

Nairobi


Imagem dum menino em Nairobi, Quénia, enquanto a polícia procurava opositores ao governo.
Fotgrafia de WALTER ASTRADA/AFP /2008

Inverno


Um homem percorre um parque coberto pela neve na Bulgária.
Fotografia de VASSIL DONEV/LUSA

O taxista fotógrafo


Óscar Fernando, o taxista fotógrafo (Monterrey, México).
Para ler mais aqui.

Keith Jarrett e Chick Corea - Concerto para 2 pianos e orquestra de Mozart (K.365:1.Allegro)

Vencedores do Nobel apoiam campanha pela liberdade dos Cinco presos Cubanos nos EUA


Quase 12 anos depois, a causa dos cinco cubanos encarcerados nos Estados Unidos continua mobilizando pessoas de todo o mundo. A cada ano, são realizadas novas campanhas para pressionar os líderes americanos a libertarem os cidadãos presos desde 12 de Setembro de 1998. Neste início de ano, o Comité Internacional pela Liberdade dos Cinco Cubanos está intensificando uma forte mobilização que recebe o apoio de dez ganhadores do prémio Nobel.
Um requerimento assinado por José Ramos-Horta, Rigoberta Menchú, Adolfo Pérez Esquivel, Máiread Corrigan Maguire, Günter Grass, José Saramago, Dario Fo, Nadine Gordiner, Wole Soyinka e Zhores Alferov, todos ganhadores do prêmio Nobel, exige a imediata libertação dos cinco cubanos. A intenção é pressionar o presidente americano Barack Obama, prémio Nobel da Paz 2009, a assinar a liberdade dos cinco e permitir que retornem a Cuba com suas famílias.


O requerimento será enviado para a Casa Branca, onde também devem chegar centenas de cartões remetidos pela população mundial com o pedido de liberdade. O Comité Internacional está distribuindo cerca de 20 mil cartões, que podem ser encontrados em sua maior parte em inglês e espanhol. Parceiros como França e Itália estão realizando a tradução para que a campanha chegue a vários países.

A orientação é que os cartões cheguem à Casa Branca circulando de mão em mão sem envelope. Desta forma, os que ainda não conhecem o caso poderão tomar conhecimento. A mobilização não tem data para acabar pois, a cada dia, novos países e cidades americanas aderem à campanha solicitando os cartões e convocando "Presidente Obama, estamos esperando sua assinatura".

Os interessados em participar activamente da campanha podem encomendar os cartões ou solicitar o PDF para editá-lo de acordo com o idioma de seu país. Os pedidos devem ser remetidos para o endereço de e-mail info@thecuban5.org. O Comité também disponibiliza uma apresentação em Power Point aos interessados em disseminar ainda mais a mobilização dos cartões.

Histórico do caso

No dia 12 de Setembro de 1998, René González, Fernando González, Antonio Guerrero, Gerardo Hernández e Ramón Labañimo foram presos em Miami, na Florida, acusados de violar as leis federais americanas e espionar os Estados Unidos. Das 26 acusações a que foram submetidos 24 eram relacionadas à falsificação de identidade e descumprimento de registro, já que eram estrangeiros. As acusações não registravam o uso de armas ou acções violentas.

Ainda assim, mesmo tendo cometido violações leves e sem acusações concretas por partes dos juízes, os cinco cubanos foram condenados a cumprir pena nos Estados Unidos, onde estão presos até hoje. O direito de fiança lhes foi negado, assim como o direito de ver suas famílias. Por quase um ano e meio os cubanos foram mantidos em confinamento solitário. Penas absurdas como a de Gerardo Hernández, condenado duas vezes à prisão perpétua, foram impostas também aos outros.

Os cinco heróis cubanos, como ficaram conhecidos, foram presos por dedicar a vida a sua pátria, descobrir segredos militares dos americanos e alertar seu país acerca dos atentados terroristas que eram planeados por grupos de exilados cubanos em Miami, com o apoio e protecção do governo dos Estados Unidos. Há mais de 40 anos a Flórida é notadamente o centro dos ataques contra Cuba

Até hoje, os cinco permanecem encarcerados e os documentos considerados secretos que poderiam ser utilizados pela Defesa dos cubanos estão detidos para que não seja feita a apelação.

Texto de Natasha Pitts retirado do Adital.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Haiti: A desgraça ensina-nos muito


"País que doou mais dinheiro ao Haiti? Os EUA. Normal, é gratidão - já explico. Segundo país? Itália. Itália, o segundo país do mundo a dar mais dinheiro ao Haiti? Bem, não foi bem dar, perdoou a dívida (55 milhões de dólares). O pobre do Haiti tem um terramoto devastador e o generoso do credor perdoa-lhe a dívida, é? Os haitianos vão comer o perdão? Não brinquem, as dívidas marcaram o Haiti - também já explico. Então, vamos lá às duas explicações. A primeira, sobre a gratidão dos EUA. O Haiti ficou independente, em 1804, depois de os antigos escravos terem corrido com a expedição militar francesa. Daí saíram duas boas consequências para a América. Os colonos brancos fugiram para Nova Orleães e introduziram uma das culturas, a do algodão, que construiu a sociedade americana. Por outro lado, derrotado no Haiti, Napoleão decidiu abandonar o Novo Mundo: vendeu ao desbarato o território da Louisiana aos EUA. Nesse dia, os EUA dobraram a superfície (diz-se que foi o melhor negócio da História). Fica explicada a gratidão. Em 1825, a França obriga o Haiti a pagar a independência, conseguida 20 anos antes: 150 milhões de francos-ouro (5 anos do orçamento da ilha). Pagar a dívida destruiu a economia do Haiti para sempre. Fica explicada a dívida. Os terramotos às vezes mostram-nos os caboucos do mundo."

Crónica de Ferreira Fernandes no Diário de Noticias de hoje.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Haiti: as fotografias da tragédia




Fotografias do The Big Picture

The Militarization of Emergency Aid to Haiti: Is it a Humanitarian Operation or an Invasion?

Haiti has a longstanding history of US military intervention and occupation going back to the beginning of the 20th Century. US interventionism has contributed to the destruction of Haiti's national economy and the impoverishment of its population.

The devastating earthquake is presented to World public opinion as the sole cause of the country's predicament.

A country has been destroyed, its infrastructure demolished. Its people precipitated into abysmal poverty and despair.

Haiti's history, its colonial past have been erased.

The US military has come to the rescue of an impoverished Nation. What is its Mandate?

Is it a Humanitarian Operation or an Invasion?

The main actors in America's "humanitarian operation" are the Department of Defense, the State Department and the U.S. Agency for International Development (USAID). (See USAID Speeches: On-The-Record Briefing on the Situation in Haiti, 01/13/10). USAID has also been entrusted in channelling food aid to Haiti, which is distributed by the World Food Program. (See USAID Press Release: USAID to Provide Emergency Food Aid for Haiti Earthquake Victims, January 13, 2010).The military component of the US mission, however, tends to overshadow the civilian functions of rescuing a desperate and impoverished population. The overall humanitarian operation is not being led by civilian governmental agencies such as FEMA or USAID, but by the Pentagon.

The dominant decision making role has been entrusted to US Southern Command (SOUTHCOM).

A massive deployment of military hardware and personnel is contemplated. The Chairman of the Joint Chiefs of Staff Admiral Mike Mullen has confirmed that the US will be sending nine to ten thousand troops to Haiti, including 2000 marines. (American Forces Press Service, January 14, 2010)

Aircraft carrier, USS Carl Vinson and its complement of supporting ships has already arrived in Port au Prince. (January 15, 2010). The 2,000-member Marine Amphibious Unit as well as and soldiers from the U.S. Army's 82nd Airborne division "are trained in a wide variety of missions including security and riot-control in addition to humanitarian tasks."

In contrast to rescue and relief teams dispatched by various civilian organizations, the humanitarian mandate of the US military is not clearly defined:

“Marines are definitely warriors first, and that is what the world knows the Marines for,... [but] we’re equally as compassionate when we need to be, and this is a role that we’d like to show -- that compassionate warrior, reaching out with a helping hand for those who need it. We are very excited about this.” (Marines' Spokesman, Marines Embark on Haiti Response Mission, Army Forces Press Services, January 14, 2010)

While presidents Obama and Préval spoke on the phone, there were no reports of negotiations between the two governments regarding the entry and deployment of US troops on Haitian soil. The decision was taken and imposed unilaterally by Washington. The total lack of a functioning government in Haiti was used to legitimize, on humanitarian grounds, the sending in of a powerful military force, which has de facto taken over several governmental functions.


Para continuar a ler o artigo de Michel Chossudovsky no Global Research.

Haiti: Objectivo as Crianças

"O mais terrível do desastre haitiano está a chegar, e chega a toda a velocidade. Já reluzem na tragédia as presas de quem vê na tragédia o seu filão. O novo alvo: as crianças."

"O governo da Holanda deu o sinal de partida: mandou um voo charter, para trazer logo que possível cem crianças haitianas orfãs, sem ter em conta que no domingo anterior ao terremoto, tinha deportado seis crianças de regresso ao Haiti."

Resto do artigo no blog Cambios en Cuba aqui.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

"Nem animais, nem estrangeiros": o racismo banaliza-se na Itália de Silvio Berlusconi

Um futebolista italiano tratado por "preto de merda", anúncios de imobiliário que estabelecem "nem animais, nem estrangeiros", imigrantes agredidos na noite de Ano Novo: os comportamentos xenófobos têm-se banalizado em Itália, e alguns evocam mesmo um "racismo institucional".
"A situação tem-se degradado. Todos os dias um negro é desancado. Isto não pode continuar assim", disse à AFP o jornalista Gian Antonio Stella, jornalista especializado nos movimentos de Direita e autor do livro "Negros, gays, judeus e companhia".
Para continuar a ler o artigo do Público aqui.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

EUA Vs. Cuba - O Terrorismo de Estado Explicado (1)


O Nobel da paz de 2009, mantendo a mesma atitude de reiterada agressividade seguida pelos seus antecessores, incluiu Cuba na lista negra de países “incentivadores do terrorismo”. Nada de muito surpreendente, para alguém que tem discursos e práticas antagónicas em quase todas as questões externas. A partir de agora os viajantes procedentes de Cuba, deverão ser minuciosamente revistados devido ao aumento das medidas de segurança aeronáutica implementadas na sequência do recente atentado frustrado. Esta decisão já mereceu uma reacção do governo de Havana e suscitou diversas criticas nos próprios EUA.

Ver também La paradoja de ser cubano.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

A Fuga de Peniche de 1960


Assinalaram-se no dia 3 de Janeiro, os 50 anos da fuga de dez presos políticos do Forte de Peniche em 1960, a prisão mais vigiada do regime fascista que vigorava em Portugal. A fuga que daria o argumento de excepção para um filme, demonstrou a capacidade do PCP de infligir um duro golpe no regime de Salazar e continua hoje a ser desconhecida da maioria dos Portugueses.
Era dada como impossível uma fuga que, afinal, libertou dez comunistas.
"A fuga de dez presos políticos do Forte de Peniche em 1960, a prisão mais vigiada de Portugal, dava um bom argumento para um filme de Hollywood. Se fosse Steven Spielber o realizador, o argumento privilegiaria a arriscada aventura do grupo de dez fugitivos, mas se Clint Eastwood dirigisse o filme, o foco seria em Álvaro Cunhal."


"Realizadores à parte, com visões colectivas ou de heróis, o que aconteceu nessa noite de há cinco décadas exactas é um filme cujo argumento ainda não terminou de ser escrito, porque os participantes que estão vivos vão atrasando com novas revelações a versão final. Não será por essa razão que esta escapada à Steve McQueen, de uma prisão também virada para o mar, passou despercebida à época e ainda hoje, com a evocação em Peniche pelo secretário-geral do PCP, desperta curiosidade, por ser daquelas cenas impossíveis de acontecer, inverosímeis mesmo num filme de acção." Para ler o resto aqui.
Rusga nacional sucede à fuga de Peniche
A evasão de Álvaro Cunhal, Joaquim Gomes, Carlos Costa, Jaime Serra, Francisco Miguel, José Carlos, Guilherme Carvalho, Pedro Soares, Rogério de Carvalho e Francisco Rodrigues foi um drama para Salazar, sofrido quase em silêncio nos primeiros dias. A fuga não foi noticiada e só se tornou do conhecimento nacional com o passar de muitas semanas. A excepção na imprensa nacional foi o órgão oficial do PCP, o Avante!, que na edição de 16 de Janeiro titula bem grande: "O nosso povo saúda a libertação de Álvaro Cunhal e dos seus companheiros". Reflexo da reacção imediata da PIDE, o subtítulo de o Avante! é claro: "Defendamo-los das investidas do inimigo!". E não era para menos pois o que estava escrito no artigo partidário era muito próximo da realidade: "Salazar mobilizou todo o seu aparelho repressivo (...) para tentar recapturar os fugitivos. " Para ler o resto aqui.
Textos do diário de noticias por JOÃO CÉU E SILVA.

Lhasa de Sela (1972-2010)

A cantora Lhasa de Sela morreu sexta-feira aos 37 anos vítima de cancro da mama, em Montreal, Canadá. Lhasa actuou várias vezes em Portugal. Mais informação na página oficial da cantora aqui.

Em 2005 Lhasa de Sela deu uma entrevista a Carlos Vaz Marques da TSF que pode ser ouvida aqui.

European Parliament to Investigate WHO and “Pandemic” Scandal


by F. William Engdahl, Global Research 31/12/09


The Council of Europe member states will launch an inquiry in January 2010 on the influence of the pharmaceutical companies on the global swine flu campaign, focusing especially on extent of the pharma‘s industry’s influence on WHO. The Health Committee of the EU Parliament has unanimously passed a resolution calling for the inquiry. The step is a long-overdue move to public transparency of a “Golden Triangle” of drug corruption between WHO, the pharma industry and academic scientists that has permanently damaged the lives of millions and even caused death.


The parliament motion was introduced by Dr. Wolfgang Wodarg, former SPD Member of the German Bundestag and now chairman of the Health Committee of PACE (Parliamentary Assembly of the Council of Europe). Wodarg is a medical doctor and epidemiologist, a specialist in lung disease and environmental medicine, who considers the current “pandemic” Swine Flu campaign of the WHO to be “one of the greatest medicine scandals of the Century.”[1][1]The text of the resolution just passed by a sufficient number in the Council of Europe Parliament says among other things, “In order to promote their patented drugs and vaccines against flu, pharmaceutical companies influenced scientists and official agencies, responsible for public health standards to alarm governments worldwide and make them squander tight health resources for inefficient vaccine strategies and needlessly expose millions of healthy people to the risk of an unknown amount of side-effects of insufficiently tested vaccines. The "bird-flu"-campaign (2005/06) combined with the "swine-flu"-campaign seem to have caused a great deal of damage not only to some vaccinated patients and to public health-budgets, but to the credibility and accountability of important international health-agencies.”[1][2]The Parliamentary inquiry will look into the issue of „falsified pandemic“ that was declared by WHO in June 2009 on the advice of its group of academic experts, SAGE, many of whose members have been documented to have intense financial ties to the same pharmaceutical giants such as GlaxoSmithKline, Roche, Novartis, who benefit from the production of drugs and untested H1N1 vaccines. They will investigate the influence of the pharma industry in creation of a worldwide campaign against the so-called H5N1 “Avian Flu” and H1N1 Swine Flu. The inquiry will be given “urgent” priority in the general assembly of the parliament. In his official statement to the Committee, Wodarg criticized the influence of the pharma industry on scientists and officials of WHO, stating that it has led to the situation where “unnecessarily millions of healthy people are exposed to the risk of poorly tested vaccines,” and that, for a flu strain that is “vastly less harmful” than all previous flu epidemics. Wodarg says the role of the WHO and its the pandemic emergency declaration in June needs to be the special focus of the European Parliamentary inquiry. For the first time, the WHO criteria for a pandemic was changed in April 2009 as the first Mexico cases were reported, to make not the actual risk of a disease but the number of cases of the disease basis to declare “Pandemic.” By classifying the swine flu as pandemic, nations were compelled to implement pandemic plans and also the purchase swine flu vaccines. Because WHO is not subject to any parliamentary control, Wodarg argues it is necessary for governments to insist on accountability. The inquiry will also to look at the role of the two critical agencies in Germany issuing guidelines on the pandemic, the Paul-Ehrlich and the Robert-Koch Institute.


Bravo!


F. William Engdahl is author of Full Spectrum Dominance: Totalitarian Democracy in the New World Order. He may be contacted through his website, http://www.engdahl.oilgeopolitics.net/.


Notes1. Rainer Woratschka, Schweinerei mit der Grippe, Der Tagesspiegel, 16 December, 2009, accessed in http://www.tagesspiegel.de/politik/international/Schweinegrippe-Europarat;art123,2976433.2. Dr. Wolfgang Wodarg, Motion for a Resolution and a Recommendation: Faked Pandemics - a threat for health, accessed in http://www.wodarg.de/english/2948146.html.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Arábia Saudita levanta proibição de entrada de portadores de VIH


A Arábia Saudita levantou hoje, segunda-feira, a proibição de entrada no país de estrangeiros infectados com o vírus da SIDA, há 22 anos em vigor....


Certamente que o leitor considerará esta noticia credível. Talvez considere que esta proibição vergonhosa, que vigorou durante 2 décadas, não têm por base nenhuma fundamentação cientifica para existir e que só o fundamentalismo religioso a explicará.


Só há um senão nisto tudo..., o fundamentalismo religioso que está por trás desta proibição não é o fundamentalismo islâmico que para muitas cabecinhas bem pensantes é o único que existe. Este é outro fundamentalismo e vem da nação tecnologicamente mais avançada do planeta... os Estados Unidos da América.

domingo, 3 de janeiro de 2010

As palavras do soldado Mike Prysner


" Our real enemy is not the ones living in a distant land whose names or policies we don't understand; The real enemy is a system that wages war when it's profitable, the CEOs who lay us off our jobs when it's profitable, the Insurance Companies who deny us Health care when it's profitable, the Banks who take away our homes when it's profitable. Our enemies are not several hundred thousands away. They are right here in front of us."


Mike Prysner (veterano da guerra do Iraque)

As melhores fotografias de 2009









Selecção do Público.es. Para ver todas as fotografias, clicar aqui.

Discurso de Hugo Chavez na cimeira de Copenhaga


Para ver a 2ª parte, aqui.



"Se o clima fosse um banco os países ricos já o tinham salvado !"